A depilação íntima é a remoção dos pelos da região pubiana. É uma prática muito realizada principalmente no Brasil, país que criou sua própria técnica, agora conhecida no mundo todo como depilação brasileira. Mesmo assim, há pessoas que consideram se depilar uma atividade tão rotineira quanto fazer as unhas, enquanto outras adiam ao máximo e sofrem muito com o processo.

Há vários motivos para tal sofrimento, como a vergonha de se despir frente a um desconhecido e, claro, a dor. Verdade seja dita: a depilação íntima causa dor, que pode ser em maior ou menor grau, dependendo do método utilizado e sensibilidade da pessoa.

Por isso, é importante conhecer os diferentes métodos de depilação e saber como lidar como problemas como pelos encravados ou pele áspera. Confira o post de hoje e tire suas dúvidas sobre o tema!

Primeira depilação íntima? Vá com calma!

Existem vários tipos de depilação íntima que vão desde a total, com remoção de todos os pelos da região, até uma simples aparada e retirada dos pelos da linha do biquíni.

Não existe certo ou errado, mas sim o mais confortável para cada pessoa. Se você está pensando em fazê-la pela primeira vez, o indicado é que comece retirando o excesso de pelos nas laterais. Se achar que ainda tem muitos pelos, retire também do ânus (lembra do beijo grego?) e vá cavando mais a cada sessão.

Não se adaptou a um método de depilação? Experimente outros!

Lâmina

A depilação mais comum é a raspagem com lâmina. O baixo custo e o resultado instantâneo costumam ser o que mais atrai nesse método. Ele também tende a ser indolor, contudo as chances de corte e encravamento dos pelos é maior. Como o pelo só é cortado e não retirado pela raiz, ele costuma aparecer logo no dia seguinte à raspagem.

Procure fazer a raspagem após ou durante o banho com água quente, isso ajuda na abertura dos poros. Depois de alguns dias, procure, também, fazer esfoliação na área para evitar pelos encravados.

Cera quente

A cera quente é um método milenar e um dos mais indicados. A raiz dos pelos é removida dando um toque mais suave à pele e prevenindo o crescimento do pelo por um mês, em média. O método costuma causar dor, principalmente na depilação íntima e, por isso, muitas mulheres optam por não fazer em si mesmas.

Para amenizar o desconforto, evite se depilar próximo ao período menstrual, quando a mulher tende a ficar mais sensível. Tomar um banho quente antes da depilação também ajuda. Além disso, conte sempre com a ajuda de um bom profissional.

Para questões de segurança, é importante observar a temperatura da cera, se o profissional usa material descartável (luvas, espátula, pinça) e se há o descarte da cera após o uso.

Creme depilatório

Os cremes depilatórios também são uma opção para quem teme ou simplesmente não gosta de fazer depilação com cera quente e quer um resultado melhor do que a lâmina proporciona.

O creme é fácil de aplicar e o processo rápido: entre 3 e 5 minutos de espera com o creme no corpo e depois é só retirar com uma esponja úmida no banho. Os pelos são removidos por enfraquecimento químico. Embora sejam cortados, a sensação na pele é mais suave do que a oferecida pela lâmina.

Um cuidado essencial antes de usar o creme para a depilação íntima é testar o produto em outra região, a fim de observar o aparecimento de alergias. Também evite expor a área depilada no mesmo dia ao sol para evitar manchas na pele.

E então? Já descobriu qual método é o melhor para você? Em todos os casos, é importante manter uma boa higiene para evitar complicações. Se mesmo com todos os cuidados indicados você ainda sofre com pelos encravados e pequenos cortes, a depilação íntima a laser é a opção definitiva e menos agressiva. Porém, diferente dos outros métodos, ela é um tratamento e precisam ser feitas pelo menos 6 sessões para que o resultado apareça e seja duradouro.

Já usou algum dos métodos de depilação íntima acima? Qual você prefere? Conta para a gente aqui nos comentários.