Sei que essa sensação de fracasso não deve ser exclusividade minha: eu e meu marido nos perdemos. Nos perdemos sexualmente falando. Quando nos conhecemos, o sexo era maravilhoso, um tesão absurdo nos cinco sentidos! Sexo no carro, na sala, na cozinha, na piscina, na banheira. Eu me sentia desejada, minha autoestima estava no topo. Conexão sexual a mil.

O tempo passou e nos casamos. Foram dias de muito sexo, às vezes mais de uma vez, dá pra acreditar? Pois é. A lua de mel acabou e voltamos à realidade: casa nova, família nova. Retomamos nossa rotina profissional, mas agora com um lar para cuidar.

Vieram os filhos, 3 no total. E tudo ficou ainda mais doce, mais corrido, menos romântico, mais estressante e, por que não, mais real.

Mas nem tudo são rosas. Faziam 6 meses que eu e meu esposo simplesmente não conseguíamos ter uma noite — ou uma manhã, uma tarde, um momento que seja — de conexão sexual.

Nos olhávamos e não tinha mais faíscas. Aliás, o que tinha mesmo eram lágrimas de saudade de como éramos intensos juntos antes. Já chegamos a combinar uma hora para ir para cama, olhamos um para o outro e não havia o mínimo tesão, a mínima energia sexual.

Nos abraçamos e fomos dormir de conchinha. Isso é ótimo, mas eu sentia falta de sexo. Sentia falta de me sentir desejada, sentia falta de gozar!

Eu amo meu marido e, por isso, decidi que era hora de procurar ajuda para mudar essa história.

O momento decisivo

Nessa situação, é quase impossível não sentir-se culpada: “meu corpo não desperta mais desejo”. “Ele tem outra, mais nova, mais bonita”. “Eu devo estar fazendo alguma coisa errada, não pode ser”.

É nesse momento que, se não pararmos e estabelecermos racionalmente o que é verdade e o que é invenção de uma cabeça angustiada e ansiosa, tudo pode ir ralo abaixo. Resolvi que precisava de ajuda para melhorar a minha vida sexual. Eu precisava entender o que estava acontecendo.

Mas quem procurar? Eu resolvi buscar uma conhecida, que vendia produtos eróticos. Várias amigas já haviam a indicado para comprar brinquedinhos e acessórios para esquentar o clima.

Eu, claro, pensava: que clima? Que clima? Não tem clima para esquentar, gente. Eu tenho que ACHAR o clima.

Pois bem, venci a batalha interna, a vergonha, o medo e marquei um horário com ela na minha casa. Resolvi que na parte da tarde era um bom momento, as crianças estavam na escola, o marido trabalhando. Pedi algumas horinhas no meu trabalho e fui tentar resolver minha vida sexual.

Uma tarde com a Clara

Clara é o nome da minha consultora de produtos eróticos. Foi bem difícil, no início, me abrir com ela. Dizer dos meus medos, das minhas inseguranças, da minha frustrante vida sexual ativa. Do meu fracasso — assim pensava eu.

Mas Clara, com toda sua experiência, foi conduzindo a conversa até chegar à conclusão de que eu e meu marido não tínhamos nenhum problema fisiológico ou emocional. A questão era que estávamos querendo o tesão de 10 anos atrás, sem muito esforço. Queríamos sexo, mas não queríamos “perder tempo” com o sexo.

Foi aí que a Clara, depois de várias dicas sexuais, me apresentou a técnica dos cinco sentidos. Minha amiga, prepare-se que agora eu vou contar sobre essa técnica MARAVILHOSA que transformou meu casamento e até mesmo minha relação comigo mesma.

A técnica dos cinco sentidos

Claro que você conhece os cinco sentidos que nós, humanos, temos: visão, audição, olfato, tato e paladar. A primeira pergunta que a Clara me fez foi: como vocês aguçam esses 5 sentidos nas preliminares e durante o sexo? Minha resposta: não aguçamos.

Então, ela foi me explicando o que fazer para trazer o prazer que os cinco sentidos podem despertar em nosso corpo.

Visão: homens e mulheres se excitam pelo olhar. Para eles, ver a pessoa que amam em uma lingerie bem bonita é a visão do paraíso e desperta as mais loucas fantasias.

Clara me mostrou várias opções de lingerie, como fio dental, camisola aberta, body e tangas para que eu escolhesse o que mais combinava comigo. Pronto. Decidi que uma camisola aberta com um calcinha fio dental de renda — fácil, fácil de tirar — era a melhor escolha.

Além da lingerie, Clara me apresentou um mundo de acessórios que eu poderia investir para aguçar a visão durante o momento sexual: velas, luzes com intensidades mais baixas e até mesmo vibradores para que eu pudesse me masturbar na frente do meu marido e deixá-lo louquinho.

Audição: temos uma queda por sussurros eróticos ao pé do ouvido, respiração ofegante no cangote, gemidos. Ui! Tudo isso deixa a gente enlouquecida e cheia de intimidade com nossos parceiros.

Pois bem, Clara foi certeira ao me dizer para apostar na demonstração do que estou sentindo durante o sexo. Não economizar nos sons e dizer ao marido o que gostaria que ele fizesse é uma excelente maneira de aumentar o tesão e deixar o sexo mais gostoso.

Olfato: cheiros nos transportam, e na hora do sexo ele é um ótimo aliado! Clara me sugeriu preparar o ambiente com velas perfumadas e apostar em lubrificantes aromatizados. A dica de ouro foi pingar umas gotinhas de aromatizante na região da virilha. Foi sucesso!

Paladar: gente, a boca. O sexo passa pela boca. Beijos apaixonados, beijos no corpo do parceiro, sentir o gosto da pele, tem papel fundamental no momento do sexo. O gostoso é dar lambidas no corpo todo, e não só nos órgãos sexuais!

Os brinquedos eróticos comestíveis ajudam muito nessa hora. Clara trouxe uma calcinha comestível e gel comestível para deixar o sexo oral ainda mais gostoso!

Tato: o tato é que precursor de tudo. Tudo começa com um boa pegada. As mãos têm papel importante: um simples toque pode tornar qualquer parte do corpo uma zona erógena a ser explorada.

Clara me apresentou os géis com sensações. Usei um que esquenta e outro que esfria. É uma sensação incrível por todo o corpo, principalmente no sexo oral.

A noite depois da Clara e os cinco sentidos

Meninas, preparei tudo. As crianças foram dormir na casa da vovó. Saí mais cedo do trabalho e preparei o ambiente com as velas aromatizadas e luzes baixinhas. Tomei um banho bem gostoso e coloquei minha lingerie especial. Esperei o maridão na cama, com todos os acessórios que eu havia comprado à tarde, com a Clara.

Ele chegou e se assustou com a casa vazia e escura, entrou no quarto e eu o vi da cama — enquanto me masturbava. Ele tremeu, os olhos brilharam e eu comecei colocando todos os sentidos no jogo: teve banho juntinho no escuro, teve mãos e corpos se tocando, teve aromas, teve gel, teve sexo oral com sabores diferentes, teve gozo. Teve conexão. Teve amor!

Se eu pudesse aconselhar cada uma que está passando por esse momento, seria: o sexo exige tempo e disposição. Invista em acessórios que tirem a rotina da cama e nos cinco sentidos. Esse movimento faz bem para a autoestima e para a harmonia do casal. Não tenha medo. Eu vivi para ver e ter certeza que dá certo!

Compartilhe essa história nas suas redes sociais e surpreenda-se com a reação dos seus amigos.

Powered by Rock Convert