Sex Shop Como tudo começou?

O primeiro Sex Shop que se tem notícias, foi fundado em 1962 na Alemanha por Beate Uhse, logo após ficar viúva e com uma criança pequena para cuidar.

A princípio ela saia de porta em porta oferecendo conselhos relacionados ao sexo e a sexualidade feminina. Sendo assim, vendia alguns acessórios, naquela época apenas os vibradores. Em 1946 ela escreveu um manual de relacionamento que vendeu em 2 anos mais de 32 mil copias.

Ela aproveitou a Revolução Sexual de 1960 onde as mulheres já podiam sentir prazer em suas relações, podiam evitar a gravidez e sentir prazer e resolveu abrir uma loja em 1962.

A princípio a loja tinha o nome de Instituto de Higiene Conjugal, pois assim não chamaria tanto a atenção dos que ainda achavam que mulheres não podiam sentir prazer em uma relação.

A masturbação feminina só foi aceita junto com a Revolução Sexual, entre os anos de 1960 e 1970.

Até então as mulheres achavam que a masturbação era pecaminosa, era apenas para as “mulheres de rua”, as desavergonhadas.

Havia inclusive uma história que dizia que a mulher poderia enlouquecer com a masturbação, por isto elas não se masturbam. Portanto 98% das mulheres não sentiam prazer, apenas tinham relações para dar prazer ao homem.

E isto mudou muito depois da Revolução Sexual em 1960.

Mas a história do sex shop ainda vem de muito longe.

O primeiro item a ser inventado para masturbação foi o vibrador a vapor, criado pelo Dr. George Taylor. Um americano em 1869, que a título de curar uma doença chamada histeria inventou um massageador clítoriano, com o nome de “The Manipulator”.

A histeria era um composto de sintomas, como dor de cabeça, irritabilidade, choros frequentes, perda ou ganho de peso, enfim, dentro de histeria cabia qualquer tipo de sintomas e o tratamento era sempre a estimulação do clitóris.

Segundo o médico, este tipo de tratamento poderia auxiliar a mulher em vários sentidos, acabando até com as dores de cabeça ou cólicas menstruais.

A partir deste primeiro vibrador, foram lançados outros, a manivela por exemplo.

Mas este tipo de tratamento não era muito bem aceito, pois fazia com que a mulher chegasse ao orgasmo, e a partir daí esta técnica de tratamento passou por vários embates, até que deixou de ser usada.

Mas as mulheres queriam comprar estes massageadores pois sentiam prazer e alivio o que acabava por aliviar os outros sintomas como cólicas menstruais ou dores de cabeça.

Estamos falando de uma época em que as mulheres não podiam sentir prazer, não era digno e nem correto para uma moça de família sentir prazer com seu marido. Portanto imagine então com um vibrador, que na época não tinha este nome.

As mulheres até o ano 1960, estavam fadadas a uma vida sem nenhum tipo de prazer sexual e poder sobre o próprio corpo.

A influência de Beate nos Sex Shop

Com a abertura de sua loja, Beate estimulou a criação de novas lojas que ainda não tinham o nome de sex shop, países como a Rússia e a China, permitiram e legalizaram em 1990 este novo modelo de negócio.

Em contrapartida a França que é um pais extremamente liberal, só teve sua primeira loja em 2001 em Paris.

Joani Blank em 1997 inaugura a sua primeira loja, que virou referência mundial em São Francisco, nos EUA.

Especializou-se em vibradores, e trouxe vários tipos, modelos, tamanhos e funcionalidades diferentes.

A médica Joani Blank, começou a ajudar as mulheres que nunca tiveram um orgasmo, encorajando-as a usarem vibradores.

Joani também inventou o strap-on com vibrador, o vibrador borboleta e outros que destacavam o estimulo do clitóris.

A Goog Vibrations, ainda é uma das maiores e emblemáticas do seguimento.

Propagação do vibrador em sex shop

US$ 5,00 dólares era o valor cobrado por um vibrador a bateria em 1899. Era vendido através de catálogos da Sears Roebuck, para não ser chamado de vibrador a o catalogo dizia que o produto era uma ajuda que toda mulher apreciava.

Depois os vibradores passaram a ser anunciados em revistas e jornais, em 1917 eles eram mais populares do que as torradeiras.

Em 1980 as mulheres ainda tinham receio de entrar em uma loja sex shop, pois elas eram frequentadas por homens para usarem as cabines peep show.

Mas em 1990 o filme Sex and the City, mostrava uma das 4 mulheres do filme usando um vibrador e falando sobre ele com a maior naturalidade. Isto impulsionou a criação de várias lojas, destinadas somente as mulheres.

Mas nos dias de hoje 90% das vendas são realizadas pela internet, e-commerce.

Com o mercado aquecido muitos outros produtos foram aparecendo, até mesmo antes disto em 1974 Vivianne Westwood inaugurou em Londres uma loja sadomasoquista, muito à frente para o seu tempo e época.

Ela vendia roupas de borracha, couro e sapatos bizarros, além de chicotes, correntes, mascaras, cama hospitalar e grampos para os mamilos.

Ela estava de fato muito além do nosso tempo, hoje é comum encontrarmos de tudo em qualquer Sex Shop, mas em 1974 não, aliás as mulheres nem entravam ainda com vergonha e preconceito.

A propagação dos Sex Shop

Em 1970 Dell Willians, após ser incomodada por um vendedor quando estava comprando um vibrador em uma loja de departamentos. Resolveu então abrir a sua própria loja exclusivamente feminina. Após sua loja ser inaugurada, Dell virou uma referência e foi entrevistada várias vezes para dar suas opiniões feministas.

No Brasil em 1992 foi aberto um sex shop a Darme Sex Shop ainda em funcionamento. A Complement que foi a pioneira neste seguimento, fechou em 1970 por conta do plano Collor, e o dono da Darme, aproveitou os funcionários da Complement.

O dono da Darme era um dos funcionários da Complement e já entendia do negócio.

O ano de 1990 foi o boom de vendas e de novas lojas, mas no início de 2000 o setor erótico ficou estável, o mercado reaquece em 2012 com o filme “ Cinquenta Tons de cinza”.

Filme que mexeu com o imaginário das mulheres e entre os itens mais vendidos estavam as bolas tailandesas e as vendas para os olhos.

Existem vibradores de ouro puro que são vendidos pela Coco de Mer, a loja ou boutique mais famosa do mundo, e que está sediada em Londres.

Mas nada revolucionou mais o mercado do que a Internet, como dito anteriormente, com o advento da internet. A liberdade que as mulheres conquistaram de poderem manipular seus corpos da forma que mais lhes agradavam, as vendas aumentaram e muito.

Aliado é claro a não exposição das mulheres em lojas físicas, poucas mulheres vão as lojas físicas, elas compram muito, mas compram pela internet.

Mercado erótico movimentado pelas mulheres

Desde o início, a mulher comandou este mercado, pode ter sido um homem que inventou o primeiro vibrador, mas a iniciativa de abrir lojas sempre foi das mulheres, em sua maioria.

Isto para mostrar que elas também tinham, e tem seu espaço no mundo do sexo, e deixam de ser apenas participante para serem atuantes.

Haja visto uma pesquisa feita pela ABEME (Associação Brasileira das Empresas do Mercado Erótico), que diz que as mulheres são as maiores consumidoras dos produtos e sempre buscam por novidades.

Entre os itens mais comprados por elas estão: lubrificantes íntimos que esquentam, lingerie sexy, géis excitantes, vibradores em geral e géis para sexo oral.

Já os homens buscam por: géis excitantes, anéis penianos, gotas afrodisíacas, géis retardadores da ejaculação, lubrificantes anais.

Mulheres empreendedoras em sex shop

Este mercado, portanto, é movimentado pelas mulheres tanto em compras como na questão de empreender no mercado.

Começam representando uma marca, vendem de porta em porta, ou acabam montando um site, uma loja virtual e fazendo o seu público, porque neste mercado tem público para todos.

O mercado hoje conta com uma infinidade de produtos, as bonecas infláveis, acreditem ou não, foram criadas durante a segunda guerra mundial entre 1939 – 1945. Os alemães preocupados com as baixas de seus soldados contaminados por doenças venéreas, criaram a primeira boneca inflável, mas que nunca chegou a ser usada pelos soldados.

É claro que de lá para cá muito se evolui nesta boneca, que hoje parecem pessoas de verdade, no Japão há relatos de homens que só se relacionam com bonecas infláveis, mas esta é uma outra história.

O mercado erótico movimenta mais de 100 mil vagas direta ou indiretamente, 80% destas vagas são preenchidas por mulheres, que encontram um campo pouco menos preconceituoso.

Uma mulher expor um vibrador para um grupo de mulheres ok, sem problemas, mas quando um homem faz a mesma exposição o ambiente fica um pouco mais pesado.

Isto porque ainda existe um preconceito, ainda que as mulheres usem os produtos eróticos, uma mulher vender para uma outra mulher ok, mas vender para um homem diretamente, fica constrangedor.

Por isto as vagas são 80% femininas, pela facilidade que se tem ao falar sobre o produto com uma outra mulher.

Sex Shop LGBT

Em um sex shop você pode comprar qualquer produto erótico que deseja, um homossexual pode entrar em um sex shop comum e comprar o que quiser normalmente.

Mas existe um mercado só para os gays, com produtos feitos especialmente para eles, e isto é o máximo, porque se estamos falando o tempo todo em buscar pelo prazer, todos precisam estar inseridos e satisfeitos.

Os produtos para gays vão desde géis e cremes até cuecas sem a parte de trás, o que é o máximo, são bonitas, sexy e parecem ser muito confortáveis.

Um sex shop exclusivo para gays, conta com todos os produtos que encontramos em um outro sex shop, mas ter um exclusivo, significa reconhecimento e liberdade assim como aconteceu com as mulheres em 1960.

Preconceitos de sex shop

Eles ainda existem, e vão existir sempre, não se pode agradar a todos, há quem ache que um vibrador ou um simples gel é coisa de mulher desavergonhada.

Ainda não estamos todos preparados para todas estas mudanças, principalmente no mercado erótico.

Mas o fato é que ainda assim este mercado cresce de forma assustadora, o Brasil possui a quarta feira erótica mais visitada do mundo e a primeira da América Latina.

A busca pelo prazer é cada vez maior, devido a vários fatores, mas principalmente porque sexo é vida, e não importa se ele é praticado a dois, que com certeza é a melhor pratica, ou se sozinho, com um vibrador, ou mais de um.

O que as pessoas ainda não entenderam, algumas, é que usar brinquedos eróticos é para o casal, e não significa que falte alguma coisa, significa que cabe na relação mais alguma coisa.

Outras formas de prazer, de testar e de fazer.

Uma das razões que levam os consumidores a buscar pelas lojas e-commerce é o preconceito e a vergonha às vezes de ir até uma loja física.

Mas haverá ainda um momento que entrar em um sex shop vai ser tão natural como entrar em uma padaria.

Produtos de sex shop

Em pensar que tudo começou com um vibrador a vapor que tinha a intenção de curar mulheres histéricas.

Hoje o mercado erótico conta com milhares de produtos, para ser exata até a data da publicação deste artigo eram 15 mil produtos, só em 2010 foram lançados mais 50 novos produtos.

Produtos com variedades de cores, aromas e em diversas categorias, lingeries sensuais, cosmética, vibradores mais elaborados com novas tecnologias diferenciadas que crescem a cada dia.

Vejam a lista de produtos mais vendidos no mercado segundo a ABEME (Associação Brasileira das Empresas do Mercado Erótico).

1 Bolinhas de óleo para banho

Revestidas com uma camada de gelatina, estas bolinhas de óleo exalam um aroma agradável na penetração, tem bolinhas de todos os tipos: que esquentam, que esfriam, que esquentam e esfriam. O cliente que escolhe o que acredita ser melhor.

2 Excitante feminino para o ponto G

Este gel estimula a musculatura vaginal ajudando ainda na lubrificação, além de deixar o clitóris mais sensível, favorecendo assim o orgasmo.

3 Pó afrodisíaco para bebidas

Produto que promete mais intensidade na relação, aumento da libido e retardamento da ejaculação, parecido com um energético, este pó deve ser misturado na bebida.

4 Pomada oriental para homens

É um creme excitante que, quando aplicado sobre a pele, proporciona uma sensação de aquecimento, aumentando o prazer. Trata-se de um produto unissex, de uso externo, não beijável. Indicado para quem tem ejaculação precoce, ereção fraca, ereção de curta duração, ou mesmo quer uma melhor performance sexual com sua parceira/parceiro. Mas antes de usar, faça um teste em outra parte do corpo para ver se existe algum tipo de reação alérgica.

5 Gel para sexo anal.

Gel dessensibilizante que proporciona uma menor sensibilidade na penetração, aumentando o prazer da prática de sexo anal. Para uma relação sem dor e desconforto. Muitas mulheres não praticam o sexo anal por sentirem muita dor, com este gel acabou o problema. Este produto está na categoria dos cosméticos

6 Vibrador no formato bullet

São vibradores em formatos de capsulas, a maioria vem com controle remoto para controlar a intensidade das vibrações.

A função principal dos Vibradores Bullet é estimular um ponto de prazer específico, como o clitóris, os seios, ponto G, lábios vaginais, entre outras zonas erógenas. Eles são excelentes para a masturbação, assim como para apimentar as preliminares do casal. Muitos têm múltiplas velocidades e diferentes padrões de vibração para que você possa escolher o que mais combina com o seu corpo.

7 Prótese peniana de 20 cm

Existem próteses para todos os gostos: variam de tamanho, cor, formato, espessura, textura e podem ser usadas com lubrificantes ou não.

Realísticos são ideais para quem procura o prazer solitário ou um segundo pênis na relação a dois. Idênticos aos pênis reais, imitam a textura, os relevos, as formas, os tamanhos e até as cores!

E ainda tem os articulados, que se movem para qualquer lado, mais real do que isto impossível.

8 Gel para sexo oral

Um dos produtos mais procurados na linha de cosméticos eróticos. As empresas estão investindo cada vez mais em sabores, texturas e cores diversas. Para um sexo oral saboroso e sem desconforto. São diversos sabores disponíveis.
Sua característica dessensibilizante age diretamente na garganta, diminuindo o desconforto e evitando a ânsia, garantindo uma prática mais profunda e gulosa.

9 Lingerie sexy

A lingerie erótica e sexy  serve para fantasiar situações, vestida de noiva, ou de enfermeira, ou de bombeira, ou apenas uma calcinha com um espartilho. Use sua imaginação e aguce a imaginação dele.

10 Anel peniano com vibrador

Acessório em forma de anel que é colocado no pênis. Há diversos tamanhos e modelos disponíveis no mercado, e a maioria é ajustável.

11 Anel peniano vibrador flexível com micro vibrador.

Sua vibração estimula pênis e o anel ajuda a manter a ereção e retardar a ejaculação, posicionado na base do pênis. Ele também permite uma excelente estimulação ao penetrar na vagina, ânus ou em contato com o clitóris. Ajusta-se a qualquer espessura de pênis e pode ser usado também como acessório para vibradores.
Possui micro vibrador de alta frequência.

Estes foram os 10 produtos mais vendidos segundo a ABEME (Associação Brasileira das Empresas do Mercado Erótico).

Mas, neste mundo erótico existem outros produtos tão interessantes quantos o que passamos acima.

Vejamos:

Artigos para BDSM

Bondage, quer dizer masoquismo, sadismo, submissão e dominação, e para esta pratica é usado alguns acessórios como máscaras, chicotes, cordas, mordaças, chibatas, coleiras e vendas.

Ainda que pareça estranho, existe um público considerável para esta pratica, e que acredito tenha aumentado muito depois do filme “Cinquenta Tons de Cinza”. Aliás pesquisas mostram que sim, que alguns itens passaram a vender mais, como as bolinhas tailandesas e as vendas.

Calcinha Comestível

O prazer deste produto calcinha comestível está em tirar a calcinha de sua parceira com a boca e ainda poder come-la sem nenhum risco a saúde, parece uma lingerie só que feita de açúcar e hidroxipropilmetilcelulose, em diversos sabores, basta escolher o seu.

Jogos Eróticos

Para quem está iniciando neste mundo erótico e ainda não está habituado com os produtos, os jogos podem ser o início da utilização de muitos outros produtos.

Servem para presentear alguém ou apimentar a sua relação e para estes jogos não tem idade mínima e nem limite.

Os jogos mais vendidos são:

  • Dados eróticos (há diversas opções)
  • Raspadinha sexual
  • Baralho, principalmente baralho Kama sutra

 

 Aromatizantes e Afrodisíacos

Afrodisíacos tem a finalidade de melhorar o desempenho sexual, os aromatizantes para deixar o ambiente aromatizado.

A função dos afrodisíacos é a de aumentar a libido, retardar a ejaculação e com isto ter um melhor desempenho sexual.

Os aromatizantes preparam o local, deixam acolhedor com cheiro de rosas por exemplo, ou cheiro de morango, ou ainda cheiro de uva, tudo isto para deixar o ambiente mais agradável.

Vagina de Borracha

Existe alguns tipos de vagina no mercado, as mais simples de borracha e algumas mais elaboradas que pode vir até com o ânus, e com uma textura interna que aumenta o prazer.

Por imitar muito bem a textura interna da vagina este produto é muito procurado pelo público masculino.

Bomba Peniana e Desenvolvedores Clitorianos

A bomba peniana tem uma demanda alta entre os homens, a sucção da bomba faz o pênis aumentar de tamanho e pode até retardar a ejaculação.

Devido à baixa divulgação, o desenvolvedor de clitóris ainda é “pouco conhecido”, mas ele tem basicamente a mesma função da bomba peniana. Através da sucção ele aumenta o tamanho e a sensibilidade do clitóris, aumentando desta forma a lubrificação vaginal e facilitação para o orgasmo.

Bolinhas Sensuais

Conhecidas também por bolinhas explosivas, são encontradas em diversos aromas e cores. Tem um tamanho de 4cm, 15 min antes da relação coloque a bolinha dentro da vagina, para que ela possa liberar o lubrificante com sabor e aroma.

Se não quiser esperar os 15min, não tem problema, pode penetrar com a bolinha que vai explodir com o pênis já dentro da vagina.

Estas bolinhas promovem sensações e estímulos, como o frio ou calor.

Géis (Anestésico, Retardante, Adstringente) encontrados em sex shop

Os géis são o carro chefe de um sex shop, pode ser o anestésico que é muito usado em sexo anal, o retardante que tem a função de retardar a ejaculação ou o adstringente que promove uma sensação de uma vagina mais apertada.

Não importa qual a sua escolha ou necessidade, com certeza haverá um gel ou creme para a sua necessidade.

Se não tem ainda, será inventado.

 

Perfumes com Feromônio

Não sabemos ao certo sobre a eficácia deste produto, mas a intenção do perfume com feromônio é excitar e atrair a mulher, a intenção do produto é aumentar o desejo da mulher, trabalhando com sua libido.

Apesar da incerteza da eficácia, muitos homens buscam por este produto em sexy shop.

Óleo de Massagem Sexual

Muito difícil alguém não gostar de massagem, homens e mulheres, mas para fazer de forma correta é necessário um bom óleo de massagem sexual.

Este óleo promove a lubrificação, traz uma sensação de calor, hidrata e ajuda a irrigar a região do clitóris, facilitando assim o orgasmo.

Viagra Feminino

Sim existe Viagra para mulheres, tem em duas opções, gotas ou gel.

Em gotas, deve ser misturado a uma bebida e tem a função de aumentar a libido da mulher. Mulheres que estão entrando na menopausa costumam usar.

O gel é usado diretamente na região vaginal, no clitóris exatamente pois aumenta a sensibilidade facilitando que a mulher chegue ao orgasmo.

O gel neste caso é mais eficiente, pois atingi diretamente a região em que precisamos que seja estimulada, para que o orgasmo aconteça.

Caneta Comestível

A caneta comestível serve para escrever ou desenhar coisas no corpo do parceiro e depois ter o prazer de apagar com a língua, brincadeiras que podemos fazer durante o sexo.

Acreditem ou não, este é um item que tem muita saída e é bem comercializado.

Boneca Inflável

Estão cada dia mais reais, e próximas de ser uma mulher, as bonecas infláveis de hoje tem uma textura muito próxima da pele humana. É claro que você poderá encontrar outras não tão realistas assim, por um valor menor.

Mas já existe no mercado bonecas que tem além da textura da pele, cabelos, peso e a sensação de se penetrar em uma vagina de verdade.

 Bonecas e Robôs

Alguns estudos e pesquisas, apontam para as bonecas infláveis e os robôs, como sendo um novo futuro para os Sex Shops, o mercado erótico tende a mudar muito e os ganhos serão de fatos imensuráveis.

É claro que o preço de um robô não será baixo e não serão todos que poderão comprar, mas o mercado erótico não poupa esforços e já estão estudando as possibilidades.

Mas isto não deve ser uma opção de vida, ou seja, deixar de viver com um ser humano para viver com uma boneca ou robô, isto serve apenas para dar prazer ao casal, relacionamento a dois e não para viver com um robô.

Quanto cresce este mercado de sex shop?

Segundo dados coletados pela ABEME (Associação Brasileira das Empresas do Mercado Erótico), este setor apesar da crise cresce assustadoramente. Hoje já podemos contar com 11 mil lojas, 90% delas consideradas microempresas, com um faturamento anual de 1 bilhão de reais.

Quem deseja empreender em algum negócio, este é o mercado certo.

O mercado conta com 15 importadoras, 30 fábricas, 50 atacadistas, e mais 1 mil lojas virtuais, conta ainda com 80 mil consultoras domiciliares com uma grande variedade de produtos que pode chegar 15mil opções.

Com valores e opções que cabem em qualquer bolso.

Estamos falando apenas do Brasil, São Paulo é o estado que mais consome produtos eróticos, com 33% das vendas no Brasil, seguido do Rio de Janeiro com 16%.

O mercado erótico mundial é muito mais evoluído, em sofisticação, tecnologia e matérias utilizadas.

Ou seja, temos muito ainda que caminhar neste setor, sabemos que 90% das compras de produtos eróticos são feitas pela internet, o que já facilita a vida financeira de quem deseja abrir um sex shop.

O nosso público consumidor são as mulheres, perfazendo um total de 88%. Portanto com estes dados em mãos, o microempresário ou o futuro empresário, deve se preocupar com coisas femininas, que agradem as mulheres, pois elas são as maiores consumidoras.

Em 2016 houve um crescimento neste mercado de 3%, crescimento este que se deu por conta de as mulheres procurarem por uma renda extra, através de vendas por catálogos.

O carro chefe deste mercado são os géis, lubrificantes e cremes, tanto no mercado nacional quanto no mercado internacional, Europa e USA.

 

Conclusão

Neste artigo podemos ver o avanço deste mercado de produtos eróticos, a evolução dos produtos, as facilidades de se comprar através da internet e a disponibilidade das lojas físicas, além da diversidade de produtos.

Lojas

Mais de 11 mil lojas físicas em todo Brasil, e mais de mil lojas virtuais, e este número não para, aumenta a cada ano, por conta da demanda destes produtos.

Demanda está que é gerada pela necessidade de sentir prazer e pela vontade de descobrir coisas novas.

Rentabilidade do mercado de sex shop

Mercado que movimenta por ano mais de 1 bilhão de reais, e tudo começa às vezes no de porta em porta e depois migra-se para uma loja virtual e depois quem sabe para uma loja física.

Mas não é preciso ter uma loja física, porque pesquisas apontam para o crescimento de compras on line, principalmente para este mercado.

Produtos de sex shop

Vimos que tudo começou com um vibrador para curar histeria, movido a vapor, hoje o mercado conta com mais de 15 mil opções de produtos eróticos, para todo tipo de gosto.

As experiências estão ficando cada dia mais avançadas e prazerosas, com novas tecnologias.

Falamos até em robôs e bonecas infláveis que são quase reais, tudo caminhando para dar ao ser humano uma experiência nova de prazer.

Engajamento

Hoje o público mais atuante neste mercado, tanto quando nos referimos a compra, como empreendedores, são as mulheres, e elas têm buscado por mais inovações a cada dia, para que o nosso prazer possa ser de fato uma experiência única.

Acredito que isto se deva a repressão sofrida por muitos e muitos anos.

Visibilidade de sex shop 

São Paulo é o estado que mais consume produtos eróticos do pais, seguido pelo Rio de Janeiro, possuímos a quarta feira mais famosa de produtos eróticos do mundo e a primeira da América Latina.

Entrar neste mercado hoje, é certeza de faturamento, basta saber trabalhar, entender a necessidade do seu público e investir em novidades, que não param de surgir.

Mercado que cresce no mínimo 3% ao ano e que tem para todos um lugar, não existe crise para este seguimento.

Apesar de todas as crises, nós precisamos sentir e promover prazer, para podermos continuar a luta.

O que não podemos esquecer?

Que apesar de todas as boas experiências e tecnologias que existem no mundo e ainda as próximas que virão, não podemos esquecer que somos seres humanos, que precisamos do contato do outro.

Que todos os produtos ou brinquedos eróticos, são deliciosos se usados a dois, às vezes sozinho, mas a dois é sempre melhor.

Os robôs que estão surgindo para dar prazer ao ser humano, jamais poderá substituir o abraço ou beijo de outro ser humano.

Podemos e devemos usar de todas estas tecnologias para nos ajudar a apimentar nossas relações, mas nunca deixar uma relação por conta do prazer solitário.

Dica

Se você está pensando em abrir um negócio, pense em um sex shop, ainda que no início ele seja virtual, ou pode ser virtual para sempre, não há nenhuma necessidade de se ter uma loja física.

Vimos neste artigo que a rentabilidade é boa, e se trabalharmos de forma correta não tem porque não dar certo.

Inicie com géis que vimos são os mais procurados, o carro chefe de um sex shop são géis, cremes e lubrificantes.

Depois com o tempo vai aumentando o seu leque de produtos e quando menos esperar terá um vasto catalogo de produtos.

Invista em qualidade e diversidade de produtos, assim poderá atingir um público muito maior, pois haverá produtos para todo tipo de bolso.

Os mais caros e os não tão caros assim, tem sempre opções de produtos e valores, e assim com certeza o seu negócio dará certo.

Revenda de sex shop

Primeiramente, sugiro que comece por representar uma empresa já aberta e constituída, passe a vender seus produtos, talvez a rentabilidade seja tão boa que não haverá motivos para abrir o seu próprio Sex Shop.

Logo após, você poderá revender para mais de uma empresa se quiser e puder, revender dá menos trabalho do que começar alguma coisa, pois tudo já está estruturado, basta passar a vender.

Outra alternativa, é você montar com mais uma ou duas amigas, um formato eficiente de vendas e todas ganham a mesma coisa. Ou seja, quanto mais vender, maior será o ganho.

Pense nisto!

 

Nomenclaturas Sex Shop, Sexy Shop ou sexshop

Algumas pessoas usam o termo Sex Shop, outras Sexy Shop e outras ainda Sexshop tudo junto. Portanto, todas as formas estão corretas e podem ser usadas, sem medo de errar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.


Sobre a(o) Autor(a)

Waleviska é empreendedora e proprietária da empresa DSS Distribuidora Sex Shop. Além disso, acredita que quanto mais se fala sobre sexo, mais tabus e dúvidas vão sendo desconstruídos. Pretende ter uma ligação direta com todas as leitoras que queiram entender mais sobre o mundo do prazer.

Você pode gostar também

Outras histórias