Já pensou em garantir uma renda extra no fim do mês, ajudar a quebrar tabus e jogar a monotonia para escanteio? Pois bem, é isso que os empreendedores que apostam no ‘mundo erótico’ vêm fazendo nos últimos anos.

Estatísticas mostram que o mercado é o setor que mais cresce no Brasil, com grandes perspectivas de melhoras para o ano de 2018. Os produtos comercializados vão muito além de brinquedos e lingeries, incluindo livros, cursos eróticos, entre outros.

O crescimento do mundo erótico

Segundo dados da ABEME (Associação Brasileira de Empresas do Mercado Erótico), apesar da crise econômica que atinge o Brasil, esse mercado apresenta estabilidade e crescimento acima da média, comparado a outros setores.

Para se ter uma ideia, a venda de produtos eróticos contabiliza cerca de 8,5 milhões de unidades por mês , faturando 68 milhões de reais mensais (o preço médio por item é de 8,00 reais).

De acordo com as estatísticas, o crescimento deste mercado teve início em 2002, onde o aumento das vendas chegou a 20%. Em 2014, mesmo quando a economia apresentou seus primeiros sinais de queda, as vendas se mantiveram estáveis.

Apesar da oscilação econômica, no ano seguinte, o comércio erótico brasileiro faturou 1,7 bilhões de reais. No ano de 2016, o mundo erótico movimentou 1 bilhão de reais. Em 2017, as vendas tiveram aumento de 8,5%, segundo a ABEME. A expectativa é que, para 2018, o cenário continue com a mesma perspectiva de crescimento.

Vendas em expansão no mercado erótico brasileiro

Atualmente, o país contabiliza 1.000 lojas virtuais, 80 mil consultoras (que vendem seus produtos em domicílio), 50 lojas atacadistas e 30 fábricas de itens eróticos. Ao todo, somam-se mais de 15 mil produtos diferentes, disponíveis no mercado.

O mundo erótico chegou ao Brasil na década de 1980, e possui duas principais estratégias de vendas: conhecer o seu público e esclarecer a distinção entre erotismo e pornografia, principal tabu e obstáculo do setor.

Esse ramo do comércio brasileiro se diferencia dos demais países pela qualidade, inovação em produtos e, principalmente, pela criatividade.

Além dos clássicos sextoys, como algemas, chicotes e chibatas, há também jogos e brincadeiras que envolvem baralhos e dados eróticos, produtos cosméticos e bebidas afrodisíacas, novidades em acessórios comestíveis, além de vibradores e muitas outras opções.

As mulheres representam 68% da clientela do mundo erótico. Em 2016, segundo a ABEME, houve crescimento do público gospel neste setor, sendo que 30% das consumidoras mulheres são evangélicas. Com a diversificação crescente deste mercado, o setor traz inovações mensalmente.

Nos últimos dois anos, houve o crescimento de serviços fora das lojas e sexshops, como cursos de massagem erótica, chás de lingerie, sexo tântrico, entre outras novidades.  

Quais as vantagens de trabalhar no setor erótico?

As vantagens de trabalhar com o mundo erótico são inúmeras: crescimento constante de mercado (independentemente da situação econômica do país), público diversificado e crescente, produtos de qualidade, alta lucratividade, investimento inicial baixo, além da flexibilidade de horários para consultores e representantes. 

A maioria dos representantes e consultores são mulheres (cerca de 80%) e a venda a domicílio representa 90%. O valor gasto, a cada compra, varia de 80 a 280 reais.

Gostou das dicas e do nosso conteúdo? Então assine a newsletter para receber informações exclusivas! Fique por dentro de todas as novidades que acontecem no mercado erótico!

 

[uam_ad id=”736″]